COURS D`ARCHITECTURE | FRANÇOIS BLONDEL

O arquiteto francês François Blondel (1618 – 1686) manteve-se vinculado as antigas proporções harmônicas e escreveu o tratado Cours d`architecture, onde estabeleceu algumas razões harmônicas base que poderiam ser utilizadas em formas geométricas como o quadrado e o retângulo.
Essas razões tinham muito haver com as proposições de Zarlino, já que se referiam também aos novos intervalos musicais, como a razão 8:3 – intervalo de sexta menor e a razão 5:3 – intervalo de sexta maior. Esses intervalos, porém, não deveriam ser dissonantes senão poderiam causar desconforto e estranheza, assim como ocorreria em uma música.

“Mais uma vez a ideia era a de que arquitetos deveriam utilizar em suas obras as mesmas proporções que agradam ao ouvido, garantindo, assim, uma harmonia também perceptível aos olhos”. (RABELO, 2007, p.39)

O pensamento de Blondel foi traduzido pelo historiador de arte George Hersey (Rabelo, 2007, p. 37) através da ilustração da base de uma coluna com cinco partes em espessuras diferentes. Cada uma dessas partes possui um acorde musical correspondente, de acordo com a proporção em seqüência harmônica 10:12:15:20:30.Depois, essa proporção foi traduzida em acordes musicais que são exemplificados pelas letras C – D – E – F- G – A – B (respectivamente as notas dó – ré – mi – fá – sol – lá – si).

Proporções harmônicas e proporções dissonantes de Blondel. (Fonte: a partir de Rabelo, 2007)
Proporções harmônicas e proporções dissonantes de Blondel. (Fonte: a partir de Rabelo, 2007)
A base da coluna e o acorde correspondente. (Fonte: Rabelo, 2007)
A base da coluna e o acorde correspondente. (Fonte: Rabelo, 2007)