Parceria: ArchDaily Brasil + Spotify

Interessante iniciativa do ArchDaily Brasil: o portal fez uma parceria com o  Spotify e apresenta playlists exclusivas para motivar e inspirar os leitores. Para ouvir acesse aqui.

Músicas para projetar, para caminhar pela cidade, para virar a noite, para comemorar a entrega de um projeto. Você decide a hora que for melhor para ouvir cada uma delas. Nos comprometemos em manter as listas atualizadas, trazer semanalmente novidades e convidar grandes nomes da Arquitetura a compartilhar conosco as músicas que movem suas criações. Por isso, siga o nosso canal e não deixe de descobrir novas fontes de inspiração – e fique à vontade para dar novas ideias, apresentar novas bandas e novas listas.

Fonte da notícia: http://www.archdaily.com.br/br/790703/archdaily-brasil-plus-spotify?ad_medium=widget&ad_name=architecture-news-article-show

Save

Save

Save

Sistema que transforma a passagem da água em melodia.

A fachada do edifício Kunsthofpassage em Dresden, na Alemanha, anos atráz ganhou uma decoração especial: a frente do edifício foi toda revestida por funis e canaletas de aço que modificam e amplificavam o som da passagem de água, transformando-o em melodia musical.

14-450x599

520-450x297

02-t-slyce-450x672

Save

Save

Uma catedral de notas

96563b5b3b8f0dce1fb3a481eaf1ce47

Fonte: http://partituraspraviolinistas.blogspot.com.br/2012_06_01_archive.html

Save

Save

Save

Nós deveríamos, portanto, confinarmo-nos à Música…

Nós deveríamos, portanto, confinarmo-nos à Música, à Arquitetura, à Escultura e à Pintura (…) Essas quatro são irmãs; as duas primeiras, gêmeas: para tal, observa-se que elas não se originam na imitação dos entes naturais, como o fazem a Escultura e a Pintura.

Viollet-le-Duc

A música é…

A música é a arquitetura do tempo, e a arquitetura é a música do espaço.

Mário Quintana

The Architect should be…

The Architect should be equipped with the knowledge of many branches of study and varied kinds of learning, for in the architectural judgement all of the work of other arts is brought into test… therefore let our architect be educated skillful with the pencil, instructed in geometry, knowledgeable in history, follow the philosophers with attention, understand music… and many kinds of learning, I think that no one has the right to proclaim oneself as architect hastily… Those, therefore, who from tender years receive instruction on the various forms of learning, recognize the same stamp on all the arts, and an integration of all fields of study, so that they can more readily comprehend them all.

Marcus Vitruvius Pollio

COURS D`ARCHITECTURE | FRANÇOIS BLONDEL

O arquiteto francês François Blondel (1618 – 1686) manteve-se vinculado as antigas proporções harmônicas e escreveu o tratado Cours d`architecture, onde estabeleceu algumas razões harmônicas base que poderiam ser utilizadas em formas geométricas como o quadrado e o retângulo.
Essas razões tinham muito haver com as proposições de Zarlino, já que se referiam também aos novos intervalos musicais, como a razão 8:3 – intervalo de sexta menor e a razão 5:3 – intervalo de sexta maior. Esses intervalos, porém, não deveriam ser dissonantes senão poderiam causar desconforto e estranheza, assim como ocorreria em uma música.

“Mais uma vez a ideia era a de que arquitetos deveriam utilizar em suas obras as mesmas proporções que agradam ao ouvido, garantindo, assim, uma harmonia também perceptível aos olhos”. (RABELO, 2007, p.39)

O pensamento de Blondel foi traduzido pelo historiador de arte George Hersey (Rabelo, 2007, p. 37) através da ilustração da base de uma coluna com cinco partes em espessuras diferentes. Cada uma dessas partes possui um acorde musical correspondente, de acordo com a proporção em seqüência harmônica 10:12:15:20:30.Depois, essa proporção foi traduzida em acordes musicais que são exemplificados pelas letras C – D – E – F- G – A – B (respectivamente as notas dó – ré – mi – fá – sol – lá – si).

Proporções harmônicas e proporções dissonantes de Blondel. (Fonte: a partir de Rabelo, 2007)
Proporções harmônicas e proporções dissonantes de Blondel. (Fonte: a partir de Rabelo, 2007)
A base da coluna e o acorde correspondente. (Fonte: Rabelo, 2007)
A base da coluna e o acorde correspondente. (Fonte: Rabelo, 2007)